Paternidade: Uma função dada por Deus

Pais, avôs, tios, irmãos, amigos — nossa vida é abençoada com homens que cuidam de nós por toda a vida.

...
Um pai segurando um bebê recém-nascido
Um pai segurando um bebê recém-nascido

Tornar-se pai

Um jovem pai reflete sobre o dia em que tudo mudou — o dia em que sua filha nasceu.

Paternidade: Uma função divina

O papel do pai teve origem no próprio Deus, nosso Pai Celestial, e é um papel e chamado divinos. Tornar-se pai, padrasto, avô ou pai adotivo é uma oportunidade de se tornar semelhante a Deus, de amar e cuidar dos filhos como Deus nos ama e se importa conosco. Deus ama e apoia todos os pais ao se esforçarem ao máximo para criar e cuidar daqueles que estão sob seu cuidado.

Os pais têm muito a ensinar

Néfi “[nasceu] de bons pais” e “[recebeu], portanto, alguma instrução em todo o conhecimento de [seu] pai” (1 Néfi 1:1). Existem pais — um substantivo — e aqueles que educam — um verbo. Educar significa ensinar os filhos de muitas maneiras — por meio de exemplo, conselho direto e tudo o mais. Nossos pais, padrastos, avôs e tios podem nos ensinar a andar de bicicleta, amarrar os sapatos ou preparar uma refeição, mas o mais importante é que eles podem ser uma influência justa e nos ensinar a seguir a Deus. Enos agradeceu a seu pai pelas coisas que sabia, dizendo: “Sabia que meu pai era um homem justo — pois instruiu-me em seu idioma e também nos preceitos e na admoestação do Senhor — e bendito seja o nome de meu Deus por isso” (Enos 1:1).

As figuras paternas são essenciais

Seu relacionamento com seu pai pode ser forte, amoroso ou longe do ideal, mas acreditamos em incentivar os homens de nossa vida a serem os melhores pais que puderem ser. O élder D. Todd Christofferson disse: “Como Igreja, nós acreditamos nos pais. Cremos no ‘homem ideal, que coloca sua família em primeiro lugar’ (Élder D. Todd Christofferson, “Pais”, A Liahona, maio de 2016, p. 93). Cremos que ‘segundo o modelo divino, o pai deve presidir a família com amor e retidão, tendo a responsabilidade de atender às necessidades de seus familiares e de protegê-los’ (“A Família: Proclamação ao Mundo”, ChurchofJesusChrist.org). (…) Cremos que, longe de serem supérfluos, os pais são únicos e insubstituíveis” (“Pais”, Conferência Geral de Abril de 2016).

O Pai Celestial ama todos nós

Deus, nosso Pai Celestial, é o exemplo supremo de um pai justo. Apesar de nossas falhas, Seu amor por nós é completo e infinito. Ele nos convida a falar com Ele em oração. Ele quer que sejamos felizes. Não importa quem você seja ou como é seu relacionamento com seu pai terreno, você pode conhecer o amor de Deus por você e encontrar a alegria de ter um relacionamento com seu Pai Celestial.

Uma família desfrutando da Igreja juntos

Cremos em criar famílias fortes por meio do evangelho de Jesus Cristo